Nesta sexta-feira, 28 de junho, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas completa 5 anos em funcionamento.

A UPA de Santarém é uma Unidade de Pronto Atendimento de porte III e recebe, em média, 300 pacientes por dia. Nessa sexta-feira, 28 de junho, a Unidade completa 5 anos em atividade e tem grande relevância para a população santareno. Só no ano passado, por exemplo, o número de acolhimentos na urgência e emergência foi de 107.662. Desse total, 56.986 foram de pessoas em situação de urgência. Este ano já foram acolhidos no geral 49.092.

Hoje, a UPA é administrada pelo Instituto Panamericano de Gestão (IPG). Desde março de 2018, a nova gestão trabalhou para atender as metas estabelecidas pelo Mistério da Saúde (MS). Por isso, a Unidade passou a funcionar com fluxos diferentes, oportunizando organização, agilidade e dinamismo.

Dados de atendimento

Foram registrados 11.269 atendimentos no mês de setembro, 11.791 no mês de outubro, 10.893 e 12.322 para novembro e dezembro, respectivamente. Esse aumento se deve há vários fatores. Segundo o diretor geral do HMS e UPA, Dr. Itamar Júnior, as pessoas estão se conscientizando de que a UPA é um modelo de atendimento para atender qualquer situação de urgência. “Ou seja, casos considerados sem risco de morte”, destacou.

A estrutura recebeu uma reforma no segundo semestre de 2018. Os profissionais passam por treinamentos técnicos de humanização contínuos. A UPA têm 34 leitos, possui sala de urgência, sala de observação adulta e pediátrica, sala de sutura e medicação, raio-X, eletrocardiografia e posto de coleta para exames laboratoriais. As equipes médicas estão treinadas para atender em regime de plantões 24 horas. Atualmente a UPA conta com quatro médicos de dia e quatro à noite.

Classificação de Risco

A Unidade deve prestar atendimento resolutivo e qualificado aos pacientes com quadros agudos de natureza clínica. Além disso, a UPA 24h pode prestar os primeiros atendimentos aos casos de natureza cirúrgica e de trauma, estabilizando os pacientes e realizando a investigação de diagnóstico inicial. Assim, quando necessário, encaminhando para internação no HMS.

A UPA também segue o sistema de Classificação de Risco, identificado por pulseiras coloridas, seguindo as normas de atendimento estabelecidos pelo MS através do Protocolo de Manchester.

“O sistema de triagem define que o paciente classificado na cor vermelha deve ser atendido de imediato. Ou seja, tempo zero. As demais cores, laranja, amarelo, verde e azul, devem ser atendidas em tempo máximo de 10 minutos, 1 hora, 2 horas e 4 horas respectivamente”, explicou o Dr. Itamar.

Os fluxogramas do Sistema de Triagem de Manchester estão agrupados de forma a identificar sinais, sintomas ou síndromes que habitualmente motivam a ida do paciente a um Pronto Atendimento. ”Os pacientes que precisam ir para a sala de urgência, na maioria das vezes, não passam pela triagem. Eles são considerados casos de atendimento imediato”, disse a enfermeira Dayane Sousa.

De acordo com a gerente administrativa da UPA, Gabriela Régio, uma das dificuldades enfrentadas pelos profissionais é esclarecer aos pacientes e acompanhantes que a Classificação é feita de acordo com a gravidade e não com outros fatores, como idade. “Alguns pacientes pensam que, por serem idosos ou gestantes, têm direito ao atendimento prioritário, quando, na verdade, a prioridade é para os casos clínicos mais graves”, ressalta.

 

Treinamentos, equipamentos e infraestrutura 

No último ano, houveram grandes avanços e melhorias na estrutura da UPA. Dentre eles está a revitalização do telhado e a implementação de um tanque medicinal de oxigênio com a capacidade de maior armazenamento, possibilitando um atendimento mais seguro ao paciente. “Além disso, foi resolvido o problema da fossa, que por muito tempo ocasionou grandes transtornos”, disse a gerente administrativa.

Houve a inserção do serviço do CESMIT como forma de valorização e treinamento periódicos acerca das normas regulamentadoras e das orientações do uso de Equipamentos de Proteção Individuais e coletivos. “A agenda de treinamentos multiprofissionais é contínua, com o objetivo de levar atendimento mais humanizado e a valorização dos profissionais de saúde”, finalizou Gabriela.